Dieta sem Glúten

Depois de estudar muito bioquímica durante a graduação, as recompensas aparecem todos os dias em pequenas coisas. Foi ela, a bioquímica da farmácia, que me deu base teórica para entender assuntos relacionados à esta área.

E, com isso, algumas vezes fico duvidando que certas pessoas realmente possuem diploma quando começam a espalhar inverdades por aí. Vejo isso com diversos profissionais da saúde e sempre me pergunto se eles nunca tiveram bioquímica na vida deles.

A bioquímica da graduação não faz milagres, muitos passam sofrido e arrastados, e o conhecimento sempre deve ser reciclado a medida que novas pesquisam avançam. Mas é essa bioquímica a base para entender as demais fontes de informações.

Não estou com tempo necessário para dissertar sobre o assunto, mas gostaria de deixar registrado aqui o meu descontentamento.

Final do ano passado, "navegando pelas internet", vi um post em um site no qual uma nutricionista falava que ninguém deveria consumir glúten e que todos, sem excessão, deveriam bani-lo do cardápio, alegando que o glúten gera inflamação na parede do intestino, causando alergia e bloqueio na absorção de nutrientes.



O glúten está presente no endosperma de grãos como aveia, trigo, cevada, etc, e é o responsável por dar elasticidade nas massas em geral. O glúten é formado pelas proteínas gliadina e glutenina.

Não precisa ser nutricionista para notar o absurdo que mora aí. Com um pouco de bioquímica, sabemos que possuímos enzimas responsáveis pela digestão do glúten. E que em pessoas saudáveis, sem sensibilidade ou alergia ao glúten ou doença celíaca, este sistema de degradação funciona perfeitamente. E não, não causa essa tal inflamação em pessoas saudáveis. Além disso, você não estará sendo menos ou mais saudável retirando o glúten da sua dieta.

Pesquisa da Mintel em 2013 mostrando que 65 % das pessoas que consumem produtos livres de glúten fazem isso por "achar" ser mais saudável.

Muitas embalagens de alimentos vem alertando sobre o glúten, mas não se engane, isso é para aquelas pessoas que realmente não podem comer nada com glúten.

Este assunto ainda é muito controverso, principalmente no que diz respeito à classificação da sensibilidade ao glúten. Mas sair falando absurdos sem comprovação científica é, no mínimo, uma falta de noção por parte de certos "profissionais".

Uma coisa é fato, todo o radicalismo faz mal de alguma maneira. Temos que tomar muito cuidado com o que falam por aí. Devemos ter senso crítico o suficiente para discernir o que é bom ou ruim e tomar cuidado com essas "dietas da moda".

Para finalizar, deixo um artigo em inglês, que faz uma revisão interessante sobre sensibilidade ao glúten. Se quiser ler na íntegra, clique aqui.


Cheers!

Camila
Previous
Next Post »